Economia em transe

É de conhecimento geral que um dos pilares do governo Bolsonaro é a equipe econômica, comandada pelo ministro Paulo Guedes. A anunciada saída do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, representa um choque para o Planalto, que perde um dos principais defensores das políticas em curso.

Apesar das declarações em contrário, é inegável que a notícia preocupa o governo. Tanto que Mansueto deixará o cargo apenas em agosto, mas já se procura um substituto para ele. A ideia é de uma solução de continuidade, com o menor trauma possível. Os mercados, em especial, podem reagir negativamente ao fato.

No cargo desde o governo Temer, o ainda secretário é tido como uma espécie de guardião dos cofres públicos, seguindo à risca a proposta do ministro da Economia. Em tese, seu sucessor terá perfil similar.

Quais as reais motivações para a decisão de Mansueto? Oficialmente, ele alega cansaço, mas outras razões podem estar por trás de sua saída da equipe econômica.

Em primeiro lugar, ele pode não acreditar que a política econômica do ministro Guedes venha ser efetivamente implementada. A agenda em discussão no Congresso Nacional, com as reformas estruturais em foco, é politicamente sensível por si só, e a pandemia apenas agravou esse quadro. A ordem agora é preparar o país para o mundo pós-Covid. Reformas mais drásticas ficarão para um segundo momento.

Some-se a isso a aproximação do presidente Bolsonaro com o Centrão. Os integrantes do megabloco não veem com bons olhos a agenda fiscalista em discussão e, para apoiar o titular do Planalto, certamente colocarão em xeque muitas das propostas defendidas pela equipe econômica. Cofres abertos (de maneira legítima, diga-se) em troca da participação no governo.

Enfim, Mansueto buscará novos desafios, agora na iniciativa privada. Para o ministro Guedes e sua equipe, o desafio será o de manter o navio no rumo. Do contrário, a política econômica, que já não ia bem, corre o sério risco de naufragar de vez e, com ela, o governo.

André Pereira César

Cientista Político

Comments are closed.