Mendonça Filho

(Educação e Cultura) – Mendoncinha, como é conhecido, é liderança relativamente jovem de seu partido, mas já acumula vasta experiência política – filiado ao PFL (atual DEM) desde 1985, foi deputado estadual por dois mandatos, deputado federal por três mandatos, vice-governador e depois governador de Pernambuco em 2006, substituindo o então titular do posto, Jarbas Vasconcelos (PMDB). Ocupou ainda o cargo de secretário estadual de Agricultura e presidiu o Instituto de Desenvolvimento e Estudos Avançados de Pernambuco.

Foi derrotado nas eleições para a prefeitura de Recife (PE) em 2008 e em 2012.

Administrador de empresas com especialização em gestão pública pela Kennedy School, da Universidade de Harvard, Mendoncinha foi o autor da proposta de emenda constitucional que permitiu a reeleição de chefes do Executivo, aprovada em 1997. Nos últimos meses, destacou-se no papel de líder da oposição durante o debate sobre o afastamento da presidente Dilma Rousseff.

De família de políticos, é filho do ex-deputado federal José Mendonça Bezerra e casado com uma filha do ex-ministro do Tribunal de Contas da União Marcos Villaça.

Quando vice-governador, foi secretário-executivo do Pacto 21, um conselho formado por empresários, intelectuais e acadêmicos para discutir projetos estruturadores para impulsionar o desenvolvimento econômico e social de Pernambuco. Coordenou ainda o processo de privatização da Companhia de Eletricidade de Pernambuco (Celpe).

Na condição de governador, criou o Universidade Democrática, que garantiu acesso gratuito de jovens à Universidade de Pernambuco, o Jovem Campeão, com a construção de quadras poliesportivas nas escolas da rede estadual, e o Ação Integrada pela Segurança, para promover ações voltadas à juventude. Também foi um dos idealizadores do projeto “escola integral”, realizado em parceria com o Instituto de Co-Responsabilidade Educacional, entidade liderada por um grupo de empresários.

Figura de fácil trato, Mendoncinha sempre foi um hábil negociador na Câmara dos Deputados, mantém excelente interlocução com o PSDB e com diversos setores do PMDB. No comando da pasta, ele será desafiado a consolidar a reunificação dos ministérios da Educação e da Cultura, além de evitar a descontinuidade de programas como o Fies, o Pronatec e o Ciência sem Fronteria. Mendoncinha terá de enfrentar ainda setores do mundo acadêmico que já se manifestaram contra sua nomeação.

Em meio às investigações da Operação Castelo de Areia da Polícia Federal, em 2009, foi divulgado um grampo no qual diretores da Construtora Camargo Corrêa afirmam que Mendoncinha teria recebido cem mil reais quando candidato à prefeitura de Receife em 2008. Ele disse que as doações foram legais e feitas para o diretório nacional do DEM. Seu nome apareceu ainda em uma lista da Odebrecht no âmbito da Operação Lava Jato da Polícia Federal. Mendocinha nega mais essa acusação.

Comments are closed.